Topo
Lei em Campo

Lei em Campo

Categorias

Histórico

Se estamos felizes, que tudo ande rapidamente

Andrei Kampff

2022-05-20T19:17:04

22/05/2019 17h04

O futebol é alimentado por tantos sentimentos diferentes, por tanta gente diferente, que não se importa nem em ser contraditório.

O torcedor toma sempre o rumo de casa, e por lá quer que o tempo passe rapidamente quando se está vencendo; e que ele se arreste na dor de uma derrota.

A casa do futebol é a casa da gente. E mesmo que a minha seja diferente da sua, é lá que nos sentimos bem.

O estádio é o personagem da crônica de Danielle Maiolini, advogada especializada em Direito Esportivo e colunista do Lei em Campo.

 


"Minha casa, aí eu me sinto feliz" 

Disse quando soubera que eu estava entre as vigas de concreto. No vazio ensurdecedor, o gigante cinza descansava pra próxima batalha.

Dava pra ver a importância do jogo pelo cuidado com que passavam as lâminas que lhe aparavam o tapete. As máquinas, manejadas à mão, percorriam o espaço sagrado centímetro por centímetro, indo e voltando, entre as laterais recém branqueadas a pó.

Não levaria muito tempo até que ligassem aquela chuvinha fininha que cai de baixo pra cima, como um chafariz, pra molhar a grama exatamente na quantidade necessária. Já estão lotadas as ruas que levam as pessoas a ele (e a outros lugares menos importantes).

Hora do show. Não o do lado de dentro, ainda. A festa começa pelas barraquinhas. Todas enfileiradas. Uma depois da outra, como se fingissem não vender praticamente a mesma coisa. Camisas e bandeiras. Bebidas e alimentos. Camisas, bandeiras, bebidas e alimentos. E aquele cavalinho do Fantástico. Tudo igual, só que diferente.

A escolha vai do cliente. Se portão adentro todos são fiéis ao mesmo botequim, não se pode dizer o mesmo das calçadas. A hora de entrar, também vai do gosto do freguês. Com ou sem emoção. A decisão a ser tomada entre a autonomia dos próprios passos ou o afogamento na correnteza do mar de gente. Aí, vai de cada um.

Tem quem prefira reconhecer o terreno já conhecido com tranquilidade. Como quem analisa o próprio perímetro antes da invasão. Os mais confiantes entram no momento exato de ouvir o apito do juiz. Ou depois. Posicionados, os olhos vidrados. Na uniformidade entre cor e símbolos, a distinção entre o que grita os próprios pulmões e o que sofre em silêncio. A oração coletiva entoada pelos cânticos de forja quase sempre desconhecida e que, ainda assim, parecem ter nascido de dentro da pele.

No resquício da razão, a noção dos minutos distorcida pelo bom resultado. O insuportável caminhar do relógio pra quem está cada vez mais perto do título. A contradição de querer acelerar o tempo, do momento que se quer viver pra sempre.

Sobre o autor

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós-graduando em Direito Esportivo e conselheiro do Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro “#Prass38”.

Sobre o blog

Não existe esporte sem regras. Entendê-las é fundamental para quem vive da prática esportiva, como também para quem comenta ou se encanta com ela. De uma maneira leve, sem perder o conteúdo indispensável, Andrei Kampff irá trazer neste espaço a palavra de especialistas sobre temas relevantes em que direito e esporte tabelam juntos.

Mais Lei em Campo, por Andrei Kampff