Topo
Lei em Campo

Lei em Campo

Categorias

Histórico

Sucesso do Liverpool tem explicações. Uma delas é a ajuda da tecnologia

Andrei Kampff

12/10/2019 09h10

Muito antigamente, a única forma de acompanhar futebol era indo a campo, ou através das notícias nos jornais, no dia seguinte. Com a tecnologia, as limitações vêm diminuindo e a interação evoluindo. Por outro lado, é preciso estar atento para não perder esse público.

"Hoje competimos pelo tempo, pela atenção dos jovens. Os ritos de passagem de muitas gerações relacionados ao dia em que o pai levava o filho ao campo e, qualquer que fosse a equipe, esse seria seu time do coração, não acontece mais. Não porque os jovens não estejam interessados ​​no futebol, mas porque a oferta é mais ampla por meio da conectividade. Eles podem fazer muitas outras coisas na vida: eles podem navegar, eles podem interagir nas redes sociais", avalia Peter Moore, CEO do Liverpool FC e uma lenda do marketing mundial.

Em razão desta filosofia, o clube inglês acaba de lançar um plano de investimento para "conversar" e chamar a atenção dos seus fãs espalhados por todo o mundo. "Não é possível atingir 771 milhões de pessoas sem tecnologia", afirmou Moore ao anunciar a intenção de aplicar cerca de 16 milhões de libras na reconstrução de todas as plataformas móveis e digitais do clube e atendimento ao cliente nos próximos três anos. O objetivo é agregar valor às experiências dos fãs.

VEJA TAMBÉM: 

"No futebol especialmente, times e campeonatos estão tentando ampliar a participação dos torcedores com medidas mais interativas, transformando o esporte em algo mais atraente para o público, que é um consumidor", analisa Juliana Avezum, advogada especialista em direito esportivo e propriedade intelectual.

Mais do que um jogo, futebol sempre foi espetáculo, entretenimento. E com a tecnologia, está se tornando algo maior, gerando fama, identificação, mais interesse e, consequentemente, mais investimentos.

Na atual campanha, o Liverpool utiliza uma narrativa sustentada por cinco valores para transmitir a sua mensagem. "Ouse sonhar. Tome uma posição. Venha junto. Viva, aprenda, prospere. E pense novamente". O foco principal do clube é o mercado asiático.

"Estamos considerando novos ângulos para as câmeras. Algo que transporte o fã para o campo de jogo de uma maneira mais próxima, com o conceito de visão verdadeira. Esse é o objetivo. Permitir que os telespectadores interajam e se divirtam. Você tem que pescar onde estão os peixes. Caso contrário, você não os tirará de seus quartos: eles preferem assistir seus youtubers favoritos", acrescenta Peter Moore.

Juliana Avezum alerta para as questões éticas, contratuais e de direitos. Pontos que eventualmente podem dar problema dizem respeito aos direitos de imagens dos atletas e até de torcedores. Todas as ações precisam estar devidamente acordadas.

Tanto que o clube inglês teve um imprevisto jurídico em seus planos ousados, quando o pedido de registro de marca da palavra Liverpool foi negado pelo Escritório de Propriedade Intelectual da Inglaterra. Diferentemente do Chelsea e do Tottenham, que conseguiram a licença porque seus nomes não têm "significado geográfico".

O Spirit Of Shanklay (SOS), sindicato não oficial de torcedores do Liverpool F.C. saiu em defesa da decisão. "O nome pertence à cidade de Liverpool e seu povo. Todos devemos ter permissão para usá-lo livremente, como bem entendermos, sem medo de que cartas legais entrem por nossas portas".

As regras de propriedade intelectual diferem de um país para um outro. "Aqui no Brasil é uma questão delicada. Tem algumas limitações, mas o nome de cidade pode ser registrado, como é o do São Paulo Futebol Clube", explica Juliana Avezum. O registro é feito numa classe específica e o nome não pode ser usado com exclusividade. "Não pode engessar, garantir uso exclusivo de algumas expressões. E essa regra não vale só pra nome da cidade. Não é possível se apropriar com exclusividade de qualquer palavra de uso necessário para uma atividade específica", completa Juliana.

O Liverpool acatou a decisão, apesar de lamentá-la. E aproveitou para agradecer o apoio dos comerciantes e dos clubes de futebol locais. Peter Moore ainda que "o clube significa muito para muitas pessoas que não tiveram a oportunidade de ter algo melhor na vida do que o amor pelo Liverpool. Durante algum tempo, os Beatles foram o símbolo da cidade. Agora é o futebol".

E completa: "um clube de futebol produz benefícios a longo prazo. Talvez os proprietários do Liverpool esperem 10 ou 20 anos para lucrar com o clube. Até lá, só aplicam os lucros, investem. Isso se chama paciência. Cuide de seus ativos, continue, e certamente boas coisas acontecerão. Se você compra bons jogadores, aprimora o time. Se aprimora o time, ganha títulos. Se ganha títulos, aumenta sua renda. É o círculo virtuoso clássico".

Por Ivana Negrão 

Sobre o autor

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós-graduando em Direito Esportivo e conselheiro do Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro “#Prass38”.

Sobre o blog

Não existe esporte sem regras. Entendê-las é fundamental para quem vive da prática esportiva, como também para quem comenta ou se encanta com ela. De uma maneira leve, sem perder o conteúdo indispensável, Andrei Kampff irá trazer neste espaço a palavra de especialistas sobre temas relevantes em que direito e esporte tabelam juntos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Lei em Campo, por Andrei Kampff