Topo
Lei em Campo

Lei em Campo

Categorias

Histórico

Preconceito precisa ser sempre combatido. Contra as árbitras também

Andrei Kampff

16/10/2019 04h00

O futebol é uma fatia da sociedade. E como ela, apresenta encantos e absurdos.

O preconceito existe e precisa ser condenado. E ele se manifesta de várias maneiras, por raça, orientação sexual, gênero. Um caso que chamou a atenção nesta semana teve como alvo as mulheres no futebol.

As mulheres estão cada vez mais ocupando espaço no jogo. Pelo interesse que demonstram, pela esforço e pela preparação. Seja nas arquibancadas como torcedoras, seja como jornalista, nas comissões técnicas, nas áreas jurídicas do esporte ou na arbitragem.

E, por incrível que pareça, isso ainda incomoda.

VEJA TAMBÉM: 

Mas o esporte não pode tolerar esse tipo de comportamento. Historicamente, ele é agente de transformações sociais, ajudando na luta contra o racismo, contra a discriminação aos mais pobres, até na abertura democrática no Brasil durante os anos da ditadura.

Entenda sobre o caso de um radialista que ofendeu árbitras e mulheres no futebol com a especialista Renata Ruel, comentarista dos canais ESPN e colunista do Lei em Campo.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo


 

Arbitragem feminina e mulheres sofrem discriminação em programa de rádio

Quem acha que a discriminação no futebol acabou está enganado. Infelizmente ela ainda existe, e está bem explícita, inclusive em programas esportivos, como se pode observar nas declarações do senhor Daniel Campelo na rádio Jovem Pan Ceará, no último domingo (13), quando questionado sobre o que acha de as mulheres estarem tomando conta da arbitragem: "Não acho uma boa, não. Acho que mulher tem que tomar conta da casa, e do marido e dos filhos".

 

Com a repercussão negativa de sua fala, Campelo teve a oportunidade de se desculpar na mesma rádio nesta segunda (14), porém, ratificou seu comentário anterior e ainda acrescentou algumas falas a mais, como "Esse negócio de mulher metida com macho dentro de estádio…", e suas palavras não pararam por aí.

 

Campelo demonstrou com palavras um pouco do que o treinador do Bahia, Roger Machado, disse durante entrevista coletiva após jogo no sábado (12) contra o Fluminense: "Para mim, nós vivemos um preconceito estrutural, institucionalizado. O preconceito que sofri não foi de injúria racial. O que sofro é quando vou a um restaurante e só tem eu de negro. Fiz uma faculdade onde era só eu era negro. As pessoas podem falar que não há racismo porque estou aqui, e eu nego: há racismo porque só eu estou aqui". E não parou por aí: "Esses casos que vêm aumentado agora, de feminicídio, homofobia e preconceito racial, mostram que a estrutura social é racista. Ela sempre foi racista".

 

Ou seja, o preconceito não acabou; ao contrário, está mais vivo do que nunca no Brasil e presente no futebol. Ainda há discriminação com mulheres, com negros, há homofobia. Não, não podemos generalizar. Existe, sim, quem lute para que todos tenham o seu espaço, para no âmbito profissional se analisar a competência, a qualificação, e não o gênero, a idade, cor de olhos, entre outros.

Já escutei muitas coisas neste tempo em que trabalho com futebol. Por exemplo: "Eu não me casaria com uma mulher que trabalha com futebol"; "Não estou feliz em saber que você tem mais sucesso profissional do que eu que sou homem"; "Torço para mulheres serem reprovadas no teste físico". Sim, vi colegas sendo chamados de "macaco", mulheres de coisas que não me sinto confortável em reproduzir, e muito mais.

Uma mudança cultural se faz necessária. O respeito ao próximo deve prevalecer. Chega de preconceito. Lugar de mulher é onde ela quiser.

 

Sobre o autor

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós-graduando em Direito Esportivo e conselheiro do Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro “#Prass38”.

Sobre o blog

Não existe esporte sem regras. Entendê-las é fundamental para quem vive da prática esportiva, como também para quem comenta ou se encanta com ela. De uma maneira leve, sem perder o conteúdo indispensável, Andrei Kampff irá trazer neste espaço a palavra de especialistas sobre temas relevantes em que direito e esporte tabelam juntos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Lei em Campo, por Andrei Kampff