PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Categorias

CBF estuda fim do cabeceio para crianças. Entenda o problema

Andrei Kampff

17/02/2020 08h01

Uma notícia importante para o combate à concussão no futebol: a CBF estuda aplicar uma recomendação aos clubes e escolinhas que crianças menores de 12 anos não treinem mais o cabeceio. A notícia foi dada pelo Estadão, e eu conversei com o Dr Jorge Pagura, presidente do Comitê Médico da entidade e pesquisador na área, sobre o assunto. Ele disse que ainda não há um protocolo definido para essa recomendação. Mas o importante é: o futebol está se movimentando.

A discussão ainda está dentro da Comissão Médica da entidade.

'Ainda não temos data definida. É uma tendência essa recomendação. Estamos discutindo muito o assunto, levantando evidências científicas, ouvindo outros especialistas, e criando um juízo de valor para liberar uma orientação desse tipo, até para evitarmos pânico desnecessário, nem discussões estéreis sem base científica", explica Pagura.

O especialista, que pesquisa o assunto há muito tempo, pontua uma questão fundamental: a ciência como ferramenta indispensável nessa discussão. O futebol tem sua cultura, e é preciso preservá-la. Assim como a saúde de quem pratica o jogo não pode ser jamais esquecida. Nessa hora todo debate, análise, e conhecimento se tornam fundamentais.

O Lei em Campo vem há bastante tempo falando sobre os riscos da concussão no esporte, e como o futebol está atrasado no combate ao problema em relação a outros esportes. Inclusive já destacamos aqui a decisão da Federação da Escócia que está proibindo o cabeceio para menores de 12 anos; como também a iniciativa da CBF e da Conmebol que levaram à International Board pedido de substituição temporária no futebol em casos de concussão.

Uma mudança na regra do jogo!

VEJA TAMBÉM:

E é sempre importante reforçar por que isso é se faz necessário.

Esporte vive em constante evolução 

É sempre importante repetir que o esporte vive em constante evolução e transformação. Mas essas só se manifestam quando provocadas.  A provocação pode aparecer como forma de aprimorar o jogo, de deixá-lo mais interessante, mais justo, ou mais seguro para quem joga.  E ela aparece de diferentes maneiras, a partir de processos judiciais, de tragédias, mas também do entendimento científico e humano de que o esporte precisa proteger a saúde de quem pratica. Esse entendimento é fundamental no Direito Esportivo. E aos organizadores do jogo.

O futebol precisa evoluir, ele anda atrás de esportes como basquete, rúgbi, futebol americano e outros quando o assunto é lesão na cabeça. O protocolo da FIFA, seguido pelas federações nacionais  não ataca o problema de maneira eficaz. A ciência tem mostrado que não cuidar de concussão pode gerar doenças graves.

Um estudo que mostra como o futebol afeta a saúde dos atletas pode ajudar a acelerar uma mudança necessária.

Pesquisa mostra que futebol afeta saúde de atletas

Um artigo publicado em outubro do ano passado pela revista New England Journal of Medicine, uma das publicações científicas mais prestigiadas da área da medicina, trouxe levantamentos importantes, e surpreendentes. A repercussão tem sido gigante, uma vez que foi o primeiro estudo feito com uma grande amostragem de ex- atletas de futebol. Foram 7676 ex-atletas e 23000 controles.

O trabalho comparou a taxa de mortalidade entre ex-atletas de futebol na Escócia com a população em geral, num trabalho retrospectivo, feito de trás para frente.

Neste estudo, os pesquisadores concluíram que:

  • nos atletas o risco de de morte por doenças degenerativas é 3,5 vezes maior do que no não atleta;
  • para Esclerose Lateral Amiotrófica 4 vezes;
  • para causas diretamente relacionadas a Alzheimer foi 5 vezes maior;

O único dado positivo para o atleta é que a taxa de mortalidade por doenças cardiovasculares é 20% menor do que a da população geral.

O Dr Hermano Pinheiro, um especialista e estudioso nessa área de concussão no esporte, com pós-doutorado pela USP, diz que "o trabalho não foi possível encontrar essa associação das doenças aos traumas na cabeça, uma vez que não foram realizadas autópsias para estudo anatomopatológico nos cérebros. Essa é a única maneira de de se diagnosticar a Encefalopatia Traumática Crônica. Mas quem conhece o contexto das concussões cerebrais no futebol atualmente desconfia disso".

O ex-zagueiro e capitão do título mundial de 1958, Bellini, sofria de demência e morreu em 2004. A família doou o cérebro para pesquisa, e neurologistas comprovaram que a doença foi causada pelas pancadas que sofreu com o jogo.

Os dados da pesquisa feita na Europa trazem números muito parecidos com as pesquisas feitas nos Estados Unidos com os ex-jogadores de futebol americano.

Concussão e a NFL

A concussão cerebral é a perda de consciência num intervalo curto de tempo, e acontece logo após um traumatismo craniano. De difícil diagnóstico, ela caracteriza-se por microlesões, que não são visíveis, mas que apresentam sintomas característicos. E como o diagnóstico é complicado, muitos atletas que sofrem concussão voltam ao jogo, o que é um problema sério.

A NFL – liga profissional de futebol americano – criou um protocolo obrigatório e eficaz depois de perder uma batalha jurídica. Atletas diagnosticados com a chamada ETC (encefalopatia traumática crônica), doença causada pelos golpes que os jogadores receberam na cabeça ao longo da carreira, entraram na Justiça contra a liga.

Depois de uma batalha jurídica gigante, a liga foi condenada a indenizar atletas que foram afetados pela doença em uma ação que chegou a US$ 1 bilhão.

Como é no futebol

Hoje o futebol brasileiro segue o protocolo da FIFA. E ele não ataca de maneira efetiva o problema.

Depois dos repetidos casos de choque na Copa de 2014, a FIFA passou uma orientação sobre o que fazer em lances como esse. Aqui é importante destacar: é uma diretriz, não é um protocolo obrigatório como nos esportes americanos.

Ela diz que o médico da equipe é que vai determinar a continuidade do atleta, mas do lado de fora do campo. São três minutos de atendimento dentro do gramado, e o jogador precisa ser levado para fora de campo. O prejuízo técnico – jogar com um menos – também acelera o atendimento e não ajuda numa avaliação mais correta.

Ele tem um tempo muito curto para diagnosticar a perda de consciência, o andar desnorteado do atleta e fazer as perguntas-chave. Depois de analisar tudo isso, o médico precisa decidir se o atleta tem condição ou não de continuar. Se o médico constatar algo anormal, no vestiário um novo exame deve ser feito, e dura cerca de 10 minutos.

A conclusão é de que a determinação do futebol ainda deixa jogadores em risco, e segundo especialistas, precisa ser aprimorada.

CBF tenta mudar regras do esporte e atacar a concussão 

Segundo levantamento da CBF, capitaneado pelo Dr. Jorge Pagura, presidente do Comitê Médico e de Combate à Dopagem da CBF, trauma na cabeça é a segunda lesão mais frequente no Brasileirão por três anos seguidos. O mesmo levantamento mostra que o número de concussões diagnosticadas tem se mantido no mesmo patamar nos últimos anos. Esse fato mostra que o atual protocolo ainda é deficiente para uma lesão que pode causar danos irreversíveis no cérebro.

Sabendo disso,  a Confederação Brasileira de Futebol quer mudar as regras do jogo. E tem o apoio da Confederação Sulamericana de Futebol. As entidades inclusive já entregaram um pedido à International Board – entidade internacional que cuida das regras do esporte.

Elas querem que a Board permita uma quarta substituição em caso de concussão do atleta. Ou uma substituição temporária, como existe em esportes como basquete e futebol americano.

Dentro dessa ideia, é indispensável a figura de um médico contratado pela entidade organizadora do evento. Ele que irá avaliar as condições do atleta e autorizar essa quarta modificação, desde que o exame aponte alguma anormalidade que indique diagnóstico provável de concussão.

A ideia é já ter esse médico de campo no Campeonato Brasileiro.

Sobre a possibilidade da CBF recomendar a  proibição do cabeceio até os 12 anos, Dr Jorge explica: "todo esporte tem que ser lúdico até os 8 anos. Como por volta dos 12 anos temos uma maturação quase completa do Sistema Nervoso Central, essa pode ser uma data de corte. Como disse, está no radar. Teremos muita discussão sobre o tema. "

Discutir e evoluir, atacando o problema. Preservando a essência do jogo, sem arriscar de maneira desnecessária a saúde dos atletas. Esse é o desafio do movimento esportivo, e do futebol.

Nos siga nas redes sociais: @leiemcampo

 

Sobre o autor

Andrei Kampff é jornalista formado pela PUC-RS e advogado pela UFRGS-RS. Pós-graduando em Direito Esportivo e conselheiro do Instituto Iberoamericano de Direito Desportivo e criador do portal Lei em Campo. Trabalha com esporte há 25 anos, tendo participado dos principais eventos esportivos do mundo e viajado por 32 países atrás de histórias espetaculares. É autor do livro “#Prass38”.

Sobre o blog

Não existe esporte sem regras. Entendê-las é fundamental para quem vive da prática esportiva, como também para quem comenta ou se encanta com ela. De uma maneira leve, sem perder o conteúdo indispensável, Andrei Kampff irá trazer neste espaço a palavra de especialistas sobre temas relevantes em que direito e esporte tabelam juntos.

Lei em Campo, por Andrei Kampff